domingo, 1 de junho de 2014

MC&R - 7 anos espalhando Amor!

Sete.

Número ímpar.

Número primo.

Número místico.

Ele está em todas as histórias, em todas as culturas, em todas as crenças.

São 7 os pecados capitais.

7 os dons do Espírito Santo.

7 os dias da Criação.

7 são os braços da Menorah (candelabro usado pelos judeus).

7 colunas tinha o templo de Salomão.

São 7 os chacras da tradição hatha-ioga.

As constelações mais importantes do Equador e dos hemisférios sul e norte, que sempre serviram de orientação para todos os povos em todos os tempos, têm cada uma 7 estrelas visíveis a olho nu à noite em seus hemisférios, sendo que a do Equador, Órion, pode ser vista em qualquer lugar do mundo.

Enfim, se pesquisarmos mais a fundo encontraremos o 7 em vários lugares, e sempre com uma conotação misteriosa, intrigante.

Mas a que mais nos interessa, e a que mais nos relaciona a Maria Cecília e Rodolfo, e a da conotação de perfeição que se atribui a esse número.

Quando tudo começou, em 2 de junho de 2007, com certeza eles dois não pensavam que a coisa chegaria ao ponto em que está hoje.

Quem diria, não é mesmo, que aqueles dois despretensiosos estudantes de zootecnia se tornariam tão conhecidos, tão queridos por gente que eles nem imaginavam existir, não é mesmo?

Mas, olha só como é a vida...

Os colegas de aula, que se juntavam para cantar e distrair os amigos nos intervalos das aulas, se tornaram grandes amigos, parceiros, companheiros de uma vida toda, dentro e fora dos palcos, na frente e por trás das câmeras, e com essa afinidade toda, essa cumplicidade, esse carisma, conquistaram tantas pessoas, tocaram tantos corações, transformaram tantas vidas que não dá mais para imaginar um mundo onde Maria e Rodolfo não existam.




Eles se tornaram parte fundamental de muitas histórias, e também tiveram as suas mudadas. Essas histórias se tornaram uma só.

História de música.

História de amizade.

História de amor.

Não adianta fazer aqui uma retrospectiva, porque já fizemos em anos anteriores.

Não adianta mandar 7 rosas vermelhas durante 7 dias seguidos.

Não adianta dizer que o amor que sentimos tem o tamanho de 70 vezes 7 (expressão que significa infinito).

Até porque esse nosso amor é, como diz Nando Reis, “amor que não mede, amor que não se pede, que não se repete”.



Então, deixemos as picuinhas e as rivalidades – naturais em todo grupo -  de lado, e hoje pensemos apenas em devolver infinitamente multiplicado a Maria Cecília e Rodolfo todo o amor que recebemos.

Torçamos para que eles consigam tocar ainda muito mais vidas, como tocaram as nossas.

Estejamos todos juntos na primeira fila da gravação do próximo DVD – quando e onde for.

Comemoremos cada número alcançado, cada record batido, cada prêmio faturado.

Vamos chorar e rir, cantar e gritar junto com eles, por eles, para eles.

Vamos mostrar que tudo, exatamente tudo o que eles fizeram até hoje, é como o número 7: perfeito.

Se tiveram falhas? Sim, tiveram. Mas até isso temos que amar, porque esse é o verdadeiro amor, e são os defeitos, aliados às qualidades, que fazem com que cada pessoa seja única, insubstituível.

Nenhum fã é melhor que o outro, temos de colocar isso na cabeça de uma vez por todas, e ao menos hoje nos unir para fazer desse dia o mais especial, o melhor de todos, para duas pessoas tão merecedoras, tão únicas, tão 7.

Maria, Rodolfo, o que mais dizer a vocês que ainda não foi dito?

O que mais mostrar, que ainda não foi mostrado?

O que mais sorrir?

O que mais chorar?

O que mais cantar?

Como amar mais, nos dedicarmos mais?

O que fazer mais?

É tudo isso o que temos feito durante esses 7 anos
.
E é tudo isso que faremos durante o restante do nosso tempo juntos.

Mas não é nem 1/7 do que vocês merecem, nem 1/70 do que nos dão.


Ainda assim vamos continuar tentando melhorar.

Vamos continuar a espalhar o amor que vocês nos dão, nesse mundo que precisa tanto de amor.

Porque vocês merecem tudo.

Todo o sucesso.

Todos os sorrisos.

Todos os abraços.

Todas as maluquices (do bem).

Todas as lágrimas de felicidade.

E faremos isso para sempre, até alcançarmos a marca de 70X7.

Até chegarmos à altura de vocês, do que vocês merecem.

segunda-feira, 19 de maio de 2014

"SENTIMENTO LOUCO... AMOR BEM PROFUNDO." 4 ANOS DE FSI!

4 anos de FSI.
48 meses.
208 semanas.
1460 dias (ou melhor, 1461, já que 2012 foi ano bissexto) desde que nos encontramos virtualmente pela primeira vez para falar deles.
35064 horas de atividades, única e exclusivamente dedicadas a Maria Cecília e Rodolfo e tudo o que tenha a ver com eles.
841536 minutos de suor, de sorrisos, de lágrimas, de emoções, de expectativa, de apreensão, de alívio, de amor.


 JÁ DISSEMOS QUE TUDO COMEÇOU COM ESSA FOTO?


Aliás, o que seria de nós, de Maria Cecília, de Rodolfo, de cada fã, se não fosse o amor em comum que partilhamos, e agora nos dedicamos a espalhar.
Amor em forma de música, de abraços, de encontros.
Amor em forma de uma lembrança, de uma fotografia, de uma mensagem.
Amor que encontramos de uma maneira tão gostosa, tão aconchegante e tão verdadeira em duas pessoas que parecem ter sido feitas para nós sob medida.
E na verdade creio que foram mesmo, afinal, quem mais se encaixaria tão perfeitamente em nossas vidas, em nossos corações?
E foi nesse encaixar de coisas e sentimentos que surgiu o FSI, há 4 anos.
Muita coisa aconteceu de 19 de maio de 2010 para cá, mas a essência que nos uniu, ah, essa continua a mesma.



Sempre nos pautamos pela ética, pela correção, mesmo que algumas vezes saiamos perdendo por isso. Mas sabemos, no nosso íntimo, que nada pode nos corromper, porque temos a plena convicção de que, fazendo as coisas do jeito que fazemos, estamos sendo melhores para Maria Cecília e Rodolfo.
É trabalho de formiguinha mesmo. É lento, complicado, trabalhoso, mas muito, muito, muito gratificante.
É gratificante quando olhamos para trás e vemos o que conquistamos: para MC&R mais fãs, mais divulgação, e para nós amigos, pessoas que entraram na nossa vida por causa de MC&R e que não queremos que saiam jamais.
Às vezes somos tidas como loucas, como desocupadas, mas o que importa de verdade é ver a cada show, a cada programa de televisão, a cada matéria em jornal ou revista, Maria Cecília e Rodolfo sendo cada vez mais conhecidos, com mais fãs, fazendo mais sucesso e caminhando sempre rumo ao lugar que lhes pertence, o topo, sem que para isso tenha que passar por cima de ninguém, nem de seus valores.
E assim esperamos permanecer por muito tempo, sempre lado a lado com eles, acompanhando essa linda trajetória que só faz espalhar amor pelo mundo.



Agradecemos a vocês colegas fãs, que acompanham e admiram nosso trabalho, e nos incentivam a fazer tudo o que fazemos da melhor maneira possível.
Agradecemos à equipe MC&R, que sempre foi nossa parceira, na estrada e no escritório. Pessoal da banda, técnicos, todo mundo, muito obrigado!
Obrigado tia Irani e tia Vânia, nossas parceiras e companheiras de todas, literalmente todas as horas, tio Ildeu, enfim, toda a família e amigos de MC&R que tivemos o prazer de encontrar por aí.
Pessoal de Campo Grande e Nioaque, também sempre junto conosco, muito obrigado também! Não vamos citar nomes aqui para não correr o risco de esquecer de ninguém, mas vocês sabem quem são, e que estão no nosso coração para sempre.
E por último, e mais importante, e sempre, e tanto, com o maior amor do mundo, às razões de nossa existência, Maria Cecília e Rodolfo: sem vocês o FSI não existiria, e muito dificilmente nos conheceríamos. Se hoje nos conhecemos, se somos amigos, se passamos noites em claro conversando mesmo quando precisamos acordar cedo no outro dia para trabalhar, se viajamos milhares de quilômetros, se vencemos medos, enfim, de tudo isso e muito mais vocês são os culpados. É isso: vocês têm toda a culpa de ter entrado em nossas vidas, trancado a porta e jogado a chave fora. Desculpem-nos se não fazemos mais, se não fazemos melhor, e nos avisem quando pisarmos na bola. Mas como dissemos, vocês é que são os culpados de todo esse amor, então nos aguentem... Porque já dissemos várias vezes, nesses 4 anos, que é para sempre. E é de verdade.



terça-feira, 6 de maio de 2014

MARIA CECÍLIA E RODOLFO ESPALHANDO AMOR E REALIZANDO SONHOS

Acredito que todo fã de Maria Cecília e Rodolfo já leu ou ouviu alguma entrevista em que os dois, mas principalmente Rodolfo, diziam sonhar em fazer um videoclipe. Da mesma maneira também sabíamos da ansiedade deles, e mais ainda da nossa, em ver os primeiros resultados do primeiro voo solo da dupla, com eles mesmos gerenciando sua carreira.

Então, eis que conseguimos tudo isso praticamente ao mesmo tempo. Mas antes tivemos uma espécie de aperitivo, com a participação deles na música COLEÇÃO DE CORES, do jovem e talentoso João Gustavo, de quem ainda ouviremos falar muito...



Maria e Rodolfo, que adoram criar aquele clima de mistério para nos deixar ansiosos, começaram a soltar trechos das músicas novas em que estavam trabalhando, e a cada postagem nossa curiosidade aumentava, até que disponibilizaram para todos a linda e contagiante ESPALHE AMOR.

Em uma época tão violenta, em que a barbárie do dia a dia quase nos leva de volta à Idade Média, a mensagem da música toca fundo. Letra e melodia lindas, composição de Thiago Machado (autor também de muitas outras músicas incríveis), ESPALHE AMOR, feita sob encomenda, vem de contraponto ao que ouvimos por aí ultimamente. Nada de carros, bebida, mulheres. Nada de baixaria nem de palavras de duplo sentido. Só a mensagem de espalhar o amor, por onde você for.

Então, para nossa surpresa, logo nossa dupla preferida lançou outra novidade: um "lyric video", em que a letra da música é ilustrada em belas imagens num vídeo que agradou em cheio aos fãs e à imprensa.



Com o sucesso do lyric video já estávamos mais que felizes. Maria Cecília e Rodolfo finalmente voltavam a ser notícia, e da melhor maneira possível. A agenda lotada de novo, aparições na televisão, matérias em revistas, capas de jornais... Tudo maravilhoso. Mas quando menos esperávamos recebemos a notícia de que nossa dupla estava realizando um de seus sonhos ao gravar um clipe.  Foram algumas semanas de suspense, aumentado pelas fotos das filmagens, até que, contrariando uma das leis de Murphy, a coisa fica melhor, muito melhor do que já estava e do que esperávamos.



Que clipe lindo! Maravilhoso! Perfeito! E se o lyric video já tinha causado um verdadeiro alvoroço, o que dizer então do sonho realizado com o clipe de ESPALHE AMOR? Sucesso absoluto de público e crítica, elogios de "gente graúda", e Maria e Rodolfo felizes como há muito não víamos...

Ah, como é bom vê-los felizes, não é mesmo?

Acho que essa é uma das formas mais puras do amor - ficar feliz vendo quem amamos feliz.

E para celebrar essa felicidade toda, nossos lindos resolveram disponibilizar para download mais músicas novas, e soltaram um cd promocional com as novidades e alguns de seus maiores sucessos.

AMOR DE SOBREMESA, AMULETO, CADA DIA, JÁ VIROU. Não sei qual a melhor, a mais bonita, porque cada uma tem uma característica própria, desperta um sentimento diferente, e isso muda de pessoa para pessoa. Então, cada um tem sua eleita. Mas uma coisa me chamou mais a atenção em AMOR DE SOBREMESA e CADA DIA: Rodolfo cantando solo em parte de cada uma delas. Muito gostoso poder ouvir a voz dele sozinha (não que não prefiramos obviamente que esteja acompanhada pela da Maria), senti-lo melhor. Essa tendência veio forte no DVD AO VIVO EM CAMPO GRANDE, e pelo visto  - esperamos - deve continuar. Nós aprovamos. Mesmo.



Poderíamos ficar mais felizes no que se refere à nossa dupla, aos nossos lindos, nossos amores? Sim! Fomos presentados há alguns dias com o lyric video de AMOR DE SOBREMESA. Muito bem feito, caprichado, ilustra bem a música e é perfeito para quem quer aprender a letra. Que essa outra tendência também continue, então...

Bem, só queríamos passar por aqui para dar um "oi" e dizer que o blog continua na ativa, só adormecido, aguardando novidades para passar a vocês.

Aliás, falando em novidade, você já viu nossa camiseta? Quer uma?



Peça já a sua!

O preço é R$35,00, já inclusas as despesas de envio (para dentro do país, mas podemos ser consultadas para envio ao exterior, se necessário).

Para obter mais informações envie um email para fsi_mcr@hotmail.com que passaremos mais detalhes.

Ah, e não se esqueçam: maio é o mês do aniversário do FSI, e como não gostamos de deixar as datas especiais passarem em branco adiantamos que tem muita novidade vindo aí...

Aguardem!

Enquanto isso, nos acompanhe no Facebook e no Instagram, sempre com uma novidade de Maria Cecília e Rodolfo para você!

quinta-feira, 2 de janeiro de 2014

SOBRE OS ÚLTIMOS ACONTECIMENTOS DE 2013...

Bem, dessa vez decidimos não fazer aquelas retrospectivas de fim de ano que todos fazem em todo canto, nem ficar postando mensagens meladas que parecem sempre tiradas de algum livro ruim. Optamos pelo simples, apenas com pequenos vídeos no Instagram, e creio que acertamos.

Mas se tem uma coisa que nos roubou mais os pensamentos que qualquer outra nesse finalzinho de 2013 foi a – enfim – ruptura de relação profissional de Maria Cecília e Rodolfo com a Audiomix.

Agora, com a poeira baixa, depois de uma digestão lenta e ainda inconclusa, podemos dizer que estamos aliviados. Se fosse por nós MC&R JAMAIS teriam assinado com a Audiomix após a saída do antigo escritório, por motivos óbvios: o dono da Audiomix é sócio do dono da outra empresa em vários artistas, então não precisamos ser gênios do empresariado artístico para saber que estavam trocando seis por meia dúzia.

Pois bem, mesmo vendo que não era a melhor opção os apoiamos em tudo o que foi possível, e no impossível demos um jeito. A alegria de saber da gravação do terceiro DVD se transformou em ansiedade e inconformismo logo após esta. Os problemas começaram na própria gravação em Campo Grande, com os fãs sendo tratados com um descaso homérico pelo empresário e seus subordinados. Ainda bem que o sucesso da gravação dependia bem pouco dele, visto que tudo foi tão lindo e perfeito, artística e emocionalmente falando, que nem as falhas foram percebidas por todos ou tiveram algum impacto negativo.

Mas apesar de todo o capricho, de toda a atenção dispensada a esse trabalho, ele demorou absurdos NOVE MESES para chegar às lojas. Um verdadeiro parto! Na época inclusive chegamos a brincar que era o primeiro filho de Maria e Rodolfo, que se casaram um mês após a gravação. Além do problema da demora do lançamento – justificada por respostas vagas e nada convincentes, isso quando as conseguíamos – houve também uma grande negligência, uma indolência com a exposição da dupla na imprensa, o hiato do tamanho da China na agenda, a falta de informações concretas, a visível preocupação de Maria e Rodolfo com a carreira, preocupação esta que percebíamos nos posts e comentários deles na internet e nos nossos parcos encontros – sim, parcos, porque até nisto fomos prejudicados, já que quase sem fazer shows eles também não tinham esse importante contato pessoal com os fãs.

Tudo isso na época acabou gerando a nossa CARTA ABERTA, que foi de um modo geral bem recebida pelos fãs, pela dupla e todos os bem intencionados que sempre estiveram ao lado deles. Alguns FCs preferiram não emitir opinião a respeito, e o “pessoal de Goiânia”, não ficou nada feliz com o nosso dedo colocado na ferida deles. Foram vários telefonemas à cúpula do FSI, alguns deles inclusive em tom de ameaça, explicações confusas e nada satisfatórias publicadas e nem um A da parte do empresário, mas nem por isso nos arrependemos, nem por um instante.

Aos poucos as coisas foram melhorando ao ponto que é do conhecimento de todos, mas sabemos que nos bastidores a situação estava a quilômetros de distância do ideal. Mas havia sempre a esperança de que tudo se consertaria, que com um ajuste aqui e outro ali tudo ficaria do jeito que deve ser, só que o que nós víamos do lado de cá ainda era Maria Cecília e Rodolfo sendo tratados como um primo pobre do casting da empresa, chamado para tapar buracos, tirado dos grandes festivais promovidos pela casa depois de anunciados na mídia, com muitos shows cancelados em cima da hora, trapalhadas mil da assessoria de imprensa, enfim, uma situação que chegou a seu ponto limite com o rompimento da parceria de tantos anos.

Para nós, e acreditamos que para Maria e Rodolfo também, foi um alívio. Parece até que estávamos carregando um peso imenso nos ombros, e alguém de repente apareceu para ajudar a carrega-lo. Certamente não era essa a saída que a dupla queria. Claro que eles preferiam continuar no escritório, mas desde que fossem tratados a pé de igualdade com os outros artistas. Eles não queriam esse estresse todo, essa dor de cabeça quase interminável, mas não houve outro jeito.

Como disse anteriormente, o que vimos do lado de cá foi um imenso descaso, em todos os sentidos, sofrido por Maria e Rodolfo, dois artistas que podem render muito, e não digo apenas financeiramente, mas que são uma verdadeira mina de ouro do ponto de vista artístico, desde que bem e devidamente explorados. Toda essa situação nos pareceu uma verdadeira sabotagem interna, e feita por quem deveria cuidar deles.

A pessoa chegou a dizer que cuidou dos dois durante esse tempo. Mas que cuidado é esse? Esse tipo de ajuda nós não queremos, não precisamos dele!

E para coroar o fim dessa relação, nem na última hora a palavra foi mantida. O combinado era tanto a dupla quanto o escritório soltarem a nota oficial sobre isso juntos. E o que aconteceu? Às sete da manhã essa era a principal notícia num dos blogs sobre música sertaneja mais acessados do país, e estava assinado com a data do dia anterior. Quando comentamos sobre o anúncio com pessoas ligadas à dupla, estas se espantaram ao saber que o fato já era de conhecimento público. Ou seja, mais uma vez o acordo foi quebrado. Já da parte de Maria Cecília e Rodolfo a nota foi dada um tanto depois no mesmo dia no Instagram, veladamente.




A todos que nos perguntam não sabemos se Maria Cecília e Rodolfo passarão a fazer parte de um outro escritório, ou se agora ficarão “por conta própria”. Tudo o que sabemos, e por isso ficamos muito contentes, é que eles já estão bem mais espertos, mais experientes, calejados dos dois grandes tombos que levaram até hoje, e por isso não se deixarão mais ser passados para trás. Agora sabem em quem e como confiar.

Para Maria e Rodolfo o que podemos mais querer, se não que se cuidem, que trabalhem muito, e alcancem o lugar que lhes é de direito, sempre com humildade e honestidade, e tendo em nós, fãs, dois braços fortes para essa peleja? Só que sejam felizes, em todos os sentidos, porque ver vocês sorrindo nos faz um bem que vocês não têm noção...

À Audiomix desejamos toda a sorte com os artistas que ficaram, mas desejamos mais ainda que os tratem melhor, igualmente, que não existam aí mais os primos ricos e os primos pobres. E no tocante ao fim da relação entre Maria Cecília e Rodolfo e vocês, só temos três palavras, que não são amor, amor, amor e mais nada, e sim JÁ VÃO TARDE.

A todos os fãs, amigos e familiares de Maria Cecília e Rodolfo: que 2014 seja bem melhor que 2013, mas não tão bom quanto 2015, e assim por diante, porque é pra frente que se olha.


FELIZ ANO NOVO!




quinta-feira, 17 de outubro de 2013

Bodas de papel

1 ano.

Bodas de papel.

Cabe ao casal decidir que tipo de papel quer ser.

Papel que se dissolve na água e a enxurrada leva, ou que se molda em fortes caixas, capazes de suportar muito peso.



Papel que toma aparência de espelho que reflete rostos.

Papel que parece pedra, mas não fere.

Pode ser papel que faz as páginas de um livro, onde se escrevem histórias que nos transportam para mundos imaginários, onde os finais são sempre felizes.



Ou pode também ser papel jornal, do pior tipo, que suja as mãos com sua tinta barata usada para escrever notícias sensacionalistas e de mau gosto.

O papel pode ser de presente, que embrulha sorrisos, ou com linhas, onde se lê uma notícia ruim.

Tem o papel bonito, especial, que faz a capa do DVD do artista do momento, e tem aquele com o qual foi feito o panfleto entregue na rua e logo ignorado por quem o recebeu.

Papel que é dinheiro.

Papel que simboliza a burocracia, mas também estampa a solução.


Papel que enfeita.

Papel que traz o atestado da vida e o da morte.

Papel que está em tudo o que fazemos.



Maria, Rodolfo, quem dera houvesse papel suficiente para escrever tudo o que queremos desejar a vocês hoje... Mas já pensaram de quanto precisaríamos? Muito. Muito mesmo!

Desejamos que...

...a felicidade desse primeiro ano não se repita, mas sim aumente a cada dia;

...sejam sempre o brilho no olhar e a razão do sorriso um do outro;

...renovem dia a dia a confiança e a amizade;



...façam dos obstáculos as pedras de sua fortaleza, e dos erros aprendizado;

...mostrem aos filhos – que um dia virão – como a família é um bem precioso;

...nunca durmam sem pedir nem dar seu perdão (inspiração da Oração da Família, do Padre Zezinho);



...continuem sendo a inspiração para compor, cantar, e levar essa vida maluca, que se torna bem mais fácil de ser vivida porque vocês têm um ao outro;

...encarem o dia-a-dia da vida a dois como sendo aquele papel reciclável, que depois de triturado e misturado a
água se torna papel novo, limpo, pronto para ser utilizado novamente;
...sejam para sempre a prova viva de que aquelas lindas histórias de amor dos livros e filmes podem existir na vida real, no lado de cá das telas, do papel das páginas;




...e, mais, que tudo, que vocês dois, predestinados a se encontrar e se amar, feitos um para o outro pelo Criador, façam desse dia de suas Bodas de Papel, em que comemoram o primeiro ano do dia em que se tornaram apenas um, sejam sempre fortes, com raízes profundas, como toda árvore que um dia se torna papel, como todo bom Carvalho.



terça-feira, 1 de outubro de 2013

Rodolfo, de Nioaque para o mundo!

Algumas pessoas no mundo são tão especiais, tão únicas, tão diferentes que, mesmo que tenhamos a consciência de que todos os elogios e adjetivos bonitos que conhecemos cabem a elas, sentimos que nada que consigamos escrever ou falar será suficiente. Esgotaríamos as palavras, e ainda não ficaríamos satisfeitos, ainda não teríamos encontrado nada à altura.

Rodolfo certamente é uma dessas poucas pessoas.



Durante duas idas a Nioaque pudemos sentir isso ainda mais de perto. Todos se derretiam em elogios para aquele menino que viram chegar ainda bebê, lá crescer, e de lá se espalhar para o Brasil. Realmente, seria egoísmo dos nioaquenses quererem Rodolfo só para eles, por isso são todos muito orgulhosos de seu guri mais ilustre.
Cada pessoa que encontramos tinha uma história para contar sobre ele, todas histórias que poderiam ter acontecido com qualquer pessoa, as traquinagens da infância, onde estudou, com quem brincava, o que gostava de fazer, quem eram seus amigos, mas uma das frases mais ouvidas, sempre acompanhadas de um largo sorriso, era: “Ah... Eu adoro o Rodolfo! Ele é um amor!”. Isso ouvíamos de todo tipo de pessoa, os amigos mais e menos chegados, os pais desses amigos, jovens, crianças e idosos, homens e mulheres. Outra coisa que todos ressaltaram foi a sua simplicidade e humildade, a mesma desde os tempos de menino, que não foi apagada pela fama, a maneira como chega sempre sorridente para visitar sua família, cumprimenta a todos pelo nome e logo chama os amigos para um churrasco. É... Ele realmente não se deslumbrou com a fama.



Em abril deste ano Rodolfo e Nioaque realizaram um grande sonho: um show gratuito para a cidade, na praça central. E que show! Ao lado de sua parceira e esposa Maria Cecília, Rodolfo protagonizou um verdadeiro espetáculo que não foi ofuscado nem pela chuva, nem pela enchente, e muito menos pela maledicência de alguns (que preferimos nem comentar, porque não são nada, não significam nada). Mas o destaque daquela noite de 8 de abril não foram as músicas do novo DVD, então ainda não lançado, nem alguma outra em especial, mas sim o brilho no olhar e a alegria dos nioaquenses, os da plateia e o do palco. Ali, como dissemos no post sobre esse show, Rodolfo não estava vendo a multidão que vê a cada show que faz, algumas vezes rostos conhecidos, mas na maioria anônimos, mas sim gente que faz parte de sua história desde sempre. Ali, naquela praça onde ele certamente jogou bolita, futebol e andou de bicicleta, ele estava cantando para o dono da farmácia, para alguma professora que lhe deu aula quando criança, para o dono da venda onde ele ia comprar sorvete, para seus amigos de infância, seus parentes, seus pais, sua avó querida. E como seus grandes e lindos olhos brilharam aquela noite, mais que em qualquer outra que já tenhamos visto... A plateia, em troca, retribuiu aquela emoção toda em lágrimas, gritos e aplausos, debaixo de muita chuva, mas sem arredar o pé da praça até bem depois do final do show.



Quisemos falar de Nioaque porque falar dessa delícia de cidade é falar de Rodolfo, e vice-versa. E também para que você, que fica pensando se o Rodolfo dos palcos e dos camarins é o mesmo o tempo todo, seja com quem for, tenha certeza de que isso é verdade. A fama e o sucesso não lhe subiram à cabeça. A arrogância não passou nem perto dele, e Nioaque pode atestar isso melhor que ninguém. Rodolfo é o mesmo sempre. O mesmo lindo em todos os sentidos, o mesmo dono de um coração do tamanho do mundo, cheio de bons valores e princípios, bom caráter, educado, sincero, doce, que enche seus pais de orgulho, que arranca lágrimas de alegria de centenas, de milhares de pessoas. Ele é sempre aquele que recebe quem a ele chegar, seja um fã ou um velho conhecido, com um abraço forte e sincero. É o que se lembra do seu nome depois de você dizer apenas uma vez, que sabe de onde você é e com quem anda, mesmo que você seja um em milhões. É o que nos faz rir com seu jeito de dançar nos shows, e nos leva às lágrimas quando faz 120 mil pessoas ouvirem caladas a linda declaração de amor que fez para sua Maria.



É sempre ele.

O Rodolfo dos fãs.

O Dolfo da Vila Sapo.

O “bebê mamãe” da tia Vânia.

O lindo da Maria.

Ele é assim porque tudo deve mudar na vida, mas não a essência das pessoas.

Ele é assim porque só o que é ruim deve ir embora, e as coisas boas precisam permanecer.

Ele é assim porque assim Deus o fez há 29 anos e mandou de presente para nós.





Maria, desculpe-nos se hoje praticamente não falamos de você, mas com certeza você também quer que esse dia seja só do seu lindo, daquele que Deus colocou no seu destino com a missão de mudar sua vida para sempre, e você mudar a dele.




Tia Vânia, tio Ildeu, vó Maura, obrigado por fazer do Rodolfo o homem que ele é, com todos os predicados que falamos acima e muitos outros ainda. Somos seus fãs por isso (e por muito mais também, é claro!).



Nioaque, nioaquenses, obrigado por nos emprestar seu guri, por não serem egoístas e ficarem com alguém tão incrível só para vocês. Tenham certeza de que sempre o devolveremos, para sua casa, para seu ninho do íbis.

E, finalmente, Rodolfo, desejamos de todo o coração, com todas as nossas forças, que você tenha o mais feliz dos aniversários, sempre, a cada ano.

Que Deus lhe dê muita saúde para continuar nessa vida doida de artista, paz para afugentar os que lhe desejam mal, discernimento para tomar as decisões corretas em todas as ocasiões, e muito, muito amor, porque amor bem cuidado é amor multiplicado, e assim poderemos amá-lo, admirá-lo e aplaudi-lo a cada dia mais, apesar de que temos certeza de que nunca estaremos à sua altura.

E muito, mas muito obrigado mesmo, em nome de todos os fãs, por nos deixar fazer parte da sua vida, e ser parte tão importante da nossa.

segunda-feira, 16 de setembro de 2013

DVD MARIA CECILIA E RODOLFO 'COM VOCÊ' - 1 ANO, MUITA HISTÓRIA...

Há um ano não existia um fã de Maria Cecília e Rodolfo que não estivesse com um frio na barriga. Nós todos precisávamos, devíamos mostrar a eles que a tempestade havia, enfim, acabado. E não poderia existir melhor maneira de fazer isso que não lotando o Parque das Nações Indígenas, uma das paisagens mais bonitas de Campo Grande.


Fomos para lá saídos de todos os lugares: SP, SC, PR, GO, MG, interior do MS e da própria CG, claro. Fomos chegando aos poucos, em grupos ou individualmente, sendo recebidos de braços abertos por esse povo maravilhoso da Cidade Morena.
Expectativa era nosso nome, e ansiedade o sobrenome.


Não importava o calor, nem mesmo a chuva que caiu na véspera, mas chegou a nos assustar com aquela ventania toda. Não importavam as horas de pé, nem a fome ou a sede. Não importava nem mesmo a corrida volta para casa da maioria, que teria de trabalhar na segunda-feira. Tudo o que queríamos era que as coisas saíssem da maneira mais perfeita possível.


Nos dias que antecederam a gravação providenciamos juntamente com os demais fãs e fã-clubes, outdoors espalhados pela cidade, para mostrar à Maria e ao Rodolfo que estaríamos ali, com eles, mesmo quando não estivéssemos presentes fisicamente ainda. E quem ficou de fora, seja qual for o motivo,  também foi, de certa maneira, não com o corpo, mas com o coração.


E se nós estávamos ansiosos, com os nervos à flor da pele, o dirão eles... E para os dois a carga emocional era maior ainda porque dentro de um mês seria o casamento deles. Não podemos nem queremos pensar o que se passava pelas cabeças e corações de Maria Cecília e Rodolfo. Depois de tudo o que havia se passado, de toda a turbulência enfrentada, eles mais que nunca precisavam que tudo desse certo.
E deu.  Ah, como deu certo...


A começar pelo dia, tudo foi perfeito. A chuva da véspera parou, e o sol brilhou forte. Às duas da tarde, quando os portões do parque se abriram e nós entramos o tempo parece que parou, ou que começou a passar de uma maneira diferente, particular, especial, exclusiva. Nos ajeitamos perto da grade e ficamos conversando, olhando o movimento, e mais que tudo tentando nos acalmar e apenas esperar pelo que viria. Naquela hora os termômetros marcavam 42°C, mas estávamos tão anestesiados que nem sentimos tanto na hora, somente quando a água que trazíamos acabou.


A estrutura era imensa, invejável. Um helicóptero dava razantes, o palco era gigante, e estavam presentes todos os veículos da imprensa. A tarde foi passando num tempo diferente do normal, não sabemos se maior ou menor, mas diferente. E quando escureceu pudemos ver, enfim, as luzes e, num piscar de olhos, os primeiros sons nos transportaram para outra dimensão, e o espetáculo começou.


Quando Maria Cecília entrou, já aos prantos, ninguém conseguiu mais conter a emoção. Choramos junto com ela, até mesmo os mais durões. E então ela começa a cantar os primeiros versos de VOCÊ DE VOLTA, num outro arranjo, para receber um não menos emocionado Rodolfo, com seus lindos e grandes olhos marejados, num abraço tão forte, tão intenso, que nos sentimos também ali, abraçados e abraçando. Mas aquele momento, ao mesmo tempo público e então eternizado em filmagens, era tão particular, tão deles... Porque ali só um poderia saber o que se passava dentro do outro. Era um abraço de “Vai dar tudo certo!”, de “Conseguimos!”... Abraço de alívio, de conforto, de força.


Sobre todo o show não precisamos falar, porque já o fizemos praticamente em detalhes há um ano. Destacamos, é claro, as participações especiais dos amigos Munhoz e Mariano, Humberto e Ronaldo, Jorge e Mateus, e dos ídolos e ao mesmo tempo fãs Zezé di Camargo e Luciano. Tivemos ainda o momento ímpar da declaração de amor mais bonita e sincera dos últimos tempos, com Rodolfo sozinho na voz e violão cantando MARIA, que dispensa apresentações, e a performance do casal a cada música, numa animação invejável, única, contagiante.







Mas se tem uma música que é nosso xodó, que ao menos para nós explicita todo o sentimento envolvido nesse projeto, todo o seu significado, é ADOÇANDO AS FALAS, ou melhor, um trecho dela: “É muito lindo, como um íbis encantador renascendo todo dia.” Essas poucas palavras resumem tudo. Recordando: o íbis é uma ave mitológica egípcia, cuja lenda diz que precisa retornar a seu ninho periodicamente, quando se sente fraco, para dali renascer, forte, capaz de voar para as terras mais distantes com toda a força de suas asas, e ninguém consegue alcançá-lo.



Pois então, Maria Cecília e Rodolfo foram o íbis no dia 16 de setembro de 2012. Depois de tudo o que aconteceu, que todos sabemos e não devemos nem precisamos relembrar, depois de toda a tempestade, de todas as pedras e espinhos, nada mais justo que voltassem a seu ninho, sua terra, a Campo Grande, onde tudo começou, junto aos seus amigos e familiares, a todos que os viram começar nesse sonho e aos que se juntaram a estes depois. Era ali que tudo deveria mesmo acontecer, e talvez por isso tenha demorado tanto, e certamente por isso foi tão emocionante e tão bonito.


Maria, Rodolfo, que vocês sempre lembrem dessa data com um carinho especial, por ter sido nela que um sonho de vocês, que acabou por se tornar o de todos nós, se transformou em realidade. Que esse DVD tenha servido para vocês verem e sentirem quem está com vocês de verdade, para o que der e vier, seja debaixo de chuva ou de sol, quem nunca abandonaria o barco mesmo nos piores momentos.


Acreditem, naquele dia, quando vimos nos olhos de vocês toda a emoção que demonstraram, quando vocês choraram e nós choramos juntos, tivemos certeza de que estávamos fazendo o certo, que estar ali presentes, de corpo ou em pensamento e coração, era obrigação nossa. Não nos importamos com a correria da viagem bate-e-volta, com o calor, o sol na cabeça, a sede, a fome, o cansaço. Faríamos tudo de novo, quantas vezes fossem necessárias. E faríamos com prazer. Chegaríamos antes dos portões abrirem e só iríamos embora depois da meia-noite, como fomos, mas com certeza estaríamos tão felizes que nem sentiríamos nada no corpo, só uma alegria imensa no coração, uma satisfação, sensação de dever cumprido.


Agradecemos, é claro, aos amigos que nos apoiaram nessa empreitada. À queridíssima Ângela Regasso, nossa diretora de diversões, que ciceroneou e hospedou o FSI, e às tias Irani e Vânia, nosso muitíssimo obrigado, por tudo! Vocês sabem que têm um espaço mais que especial no coração e na história do FSI. Às gordinhas mais top das galáxias, Mayara e Mariana, diretamente de Nioaque para o mundo, obrigado pela diversão, pela prosa sem fim e pelo gelo derretido que matou nossa sede no parque. À menina que também nos ajudou dando água antes das gordinhas chegarem, e de quem não sabemos nem o nome, nosso agradecimento sincero: você nos salvou naquela hora.



E, enfim, a vocês, Maria Cecília e Rodolfo, nem temos palavras para agradecer por ter nos permitido participar de um momento tão importante. Vocês sabem que não importa o que acontecer, mesmo que às vezes não pareça, estaremos sempre com vocês, para o que der e vier, chova ou faça sol, com enchente, terremoto ou ventania, mesmo que sejamos criticados ou tachados de loucos pelos que nos cercam e não nos entendem. E nos desculpem por não fazermos mais, nem melhor.


Para terminar, se é possível resumir em poucas palavras o que vivemos e sentimos em relação a esse DVD, a esse filho de vocês que é também um pouquinho de cada um de nós, ficamos com alguns versos do hino do FSI, com o qual vocês encerraram a gravação, novamente num abraço que de certa forma também nos envolveu, e que traduz o que se passa nos corações do lado de cá: "Sentimento louco, amor bem profundo..."